terça-feira, 22 de agosto de 2017

Resenha: Hotel Valhala: Guia dos Mundos Nórdicos

“Tenho que contar sobre onde moramos. Nós moramos em uma árvore. É uma árvore muito, muito grande chamada Yggdrasill. E essa árvore só tem nome porque é importante, já que todas as coisas importantes têm nome. Não sei quem foi que escolheu. Pensando bem, não sei quem escolheu o nome de nada. Existe um deus para isso? ”. 

Sinopse: “Parabéns! Você foi escolhido para fazer parte do corajoso exército de Odin e chegou ao Hotel Valhala. E agora? Este guia essencial dos deuses e deusas nórdicos, dos seres míticos e das criaturas fantásticas dos nove mundos foi preparado especialmente para você, estimado hóspede. Com dados importantes, entrevistas exclusivas e muitas reflexões, o guia vai ajudá-lo a começar o treinamento para o Ragnarök com o pé direito, evitando qualquer constrangimento desnecessário na pós vida viking. Você nunca mais vai cometer o erro de achar que Ratatosk é um esquilo fofo nem confundir um anão com um elfo! Esperamos que Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos ofereça todo o conhecimento de que você precisa para sobreviver durante sua hospedagem eterna em nosso honorável hotel”. 

Título: Hotel Valhala: Guia dos Mundos Nórdicos: Introdução às deidades, criaturas fantásticas e seres míticos. 
Autor: Rick Riordan.
Páginas: 159 páginas.
Editora: Intrínseca. 
ISBN: 978-85-510-0230-8. 

“Midgard: Se você é humano, foi neste mundo que morou antes de vir para Valhala. Midgard fica nos galhos da Yggdrasill e é ligado a Asgard por Bifrost, uma ponte enorme construída a partir de um único arco-íris. A cidade de Boston, Massachusetts, nos Estados Unidos, fica bem perto do tronco da Yggdrasill, o que a torna um importante ponto de entrada e saída dos outros mundos”. 

Algumas Impressões 

Como já era de se esperar de uma série do querido autor Rick Riodan, “Magnus Chase e os Deuses de Asgard” ganhou um guia! Depois de fazer a leitura dos dois primeiros volumes, “A Espada do Verão” (clique para ler a resenha) e “O Martelo de Thor” (clique para ler a resenha), fiquei ansiosa por saber mais sobre a trama, que pega emprestada toda a jovialidade e simplicidade lúdica da narrativa de Riordan para apresentar a mitologia nórdica de uma forma divertida e descomplicada. Com pouco mais de cento e cinquenta páginas, este guia fornecido gentilmente pelo melhor lugar onde se passar a pós vida viking, o Hotel Valhala – e eles não estão me pagando por este verdadeiro publieditorial -, traz informações importantes para que você possa viver sua morte de uma forma mais tranquila, aproveitando tudo o que o hotel e os nove mundos têm a oferecer.

“Atenção! Este é um teste do Sistema de Transmissão de Emergência de Asgard. Em alguns segundos, Heimdall tocará a corneta. Um dia, esse som servirá para anunciar a chegada do Ragnarök. Se hoje fosse o verdadeiro Dia do Juízo Final, vocês seriam informados de que Heimdall viu os gigantes se reunindo fora das fortificações de Asgard, e na extremidade da ponte arco-íris. Em seguida, viriam as instruções para a defesa de Asgard contra o ataque massivo. Isto é apenas um teste”. 

Com informações sobre os deuses, as criaturas e os mundos que habitam a Yggdrasill, o “Guia dos Mundos Nórdicos” ainda conta com entrevistas exclusivas, batalhas de rap super disputadas, reflexões importantes e dados essenciais para que os estimados hóspedes do hotel não passem por qualquer tipo de constrangimento, ou liguem para a recepção constantemente para importunar o gerente com suas dúvidas e reclamações. Com um tom jovial, é quase impossível perceber o tempo passar à medida que se faz a leitura, e quando o leitor dá por si já concluiu as páginas. Não é nenhuma novidade que sou fã das obras do autor, que, de uma forma inovadora e muito interessante, consegue transmitir alguns dos conhecimentos mais antigos de uma forma muito atual. Seja você fã de Rick Riordan ou apenas um entusiasta da mitologia nórdica em geral, o guia é uma leitura divertida e informativa, e que possui a capacidade de se tornar uma porta de entrada para uma aventura muito maior. A leitura, é claro, é mais do que recomendada.

Sobre a Intrínseca
Uma editora jovem, não só na idade – afinal foi fundada em dezembro de 2003 – mas no espírito inovador de optar pela publicação de ficção e não ficção priorizando a qualidade, e não a quantidade de lançamentos. Essa é a marca da Intrínseca, cujo catálogo reúne títulos cuidadosamente selecionados, dotados de uma vocação rara: conjugar valor literário e sucesso comercial.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram

Pinterest