segunda-feira, 6 de março de 2017

Resenha: Em Chamas


“Se pudesse escolher, tentaria esquecer por completo os Jogos Vorazes. Jamais falaria neles. Fingiria que não eram nada além de um sonho ruim. Mas a Turnê da Vitória torna isso impossível. Estrategicamente situada quase que entre um Jogo e outro, ela é uma maneira de manter o horror vivo e presente. Não apenas nós, residentes dos distritos, somos forçados a nos lembrar da mão de ferro do poder da Capital a cada ano, como também somos forçados a comemorá-la. E esse ano eu terei de viajar de distrito em distrito para aparecer diante de multidões entusiasmadas, que secretamente me odeiam, para olhar bem nos rostos dos familiares cujos filhos eu matei...”.

Sinopse: “Depois da improvável e inusitada vitória de Katniss Everdeen e Peeta Mellark nos últimos Jogos Vorazes, algo parece ter mudado para sempre em Panem. Aqui e ali, distúrbios e agitações dão sinais de que uma revolta é iminente. Katniss e Peeta, representantes do paupérrimo Distrito 12, não apenas venceram os Jogos, mas ridicularizaram o governo e conseguiram fazer todos - incluindo o próprio Peeta - acreditarem que são um casal apaixonado. A confusão na cabeça de Katniss não é menor do que a das ruas. Em meio ao turbilhão, ela pensa cada vez mais em seu melhor amigo, o jovem caçador Gale, mas é obrigada a fingir que o romance com Peeta é real. Já o governo parece especialmente preocupado com a influência que os dois adolescentes vitoriosos - transformados em verdadeiros ídolos nacionais - podem ter na população. Por isso, existem planos especiais para mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente”.

Título: Em Chamas (Trilogia Jogos Vorazes, Livro 02).
Autora: Suzanne Collins.
Páginas: 416 páginas.
Editora: Rocco.
ISBN: 9788579800641.


“Estaríamos seguros no interior do Edifício da Justiça nesse momento, se eu não tivesse parado, se não tivesse esquecido as flores. Em vez disso, da zona profundamente sombreada da varanda, nós vemos a coisa toda. Um par de Pacificadores arrastando o homem idoso que assobiara em direção ao topo da escada. Forçando-o a se ajoelhar diante da multidão. E colocando uma bala em sua cabeça”.

Algumas Impressões 

         A trilogia Jogos Vorazes é uma daquelas histórias que permanece com você muito tempo depois que a última página é concluída (clique para ler a resenha do primeiro volume). Já estava na minha lista de leitura faz tempo, e, quando finalmente solicitei os livros através da parceria com a Editora Rocco, fiquei me perguntando como eu não tinha lido antes esta distopia com tanto potencial crítico, político, social e claro, literário. Em “Em Chamas”, segundo livro da trilogia, Katniss agora é uma campeã dos Jogos. Depois de todas as provações e desafios aos quais foi exposta na arena, em um último ato de coragem ela conseguiu salvar a vida de Peeta e a sua própria, mas a um custo alto: um desafio involuntário à Capital, que há anos controla os Distritos com mãos de ferro. Graças a esta conquista, a garota e sua família passaram a morar na vila dos campeões do Distrito 12, e ela não precisa mais se preocupar com o dinheiro para sustentar sua mãe e a irmã, Prim, pela qual ela se ofereceu como tributo. E, por mais que seu maior desejo seja esquecer tudo o que viveu na arena, agora ela e Peeta terão de viajar por toda Panem na Turnê da Vitória, demonstrando o quanto são gratos pela generosidade da Capital. Contudo, o que parecia apenas uma simples demonstração para que pudesse enfim retornar à sua vida normal, acaba se tornando mais uma difícil prova que Katniss tem de enfrentar. Seu truque na arena acabou acendendo uma fagulha de esperança na população dos Distritos, como um desafio voltado diretamente ao poder opressor ao qual são submetidos a tanto tempo, e uma revolução é um risco que o Presidente Snow não está disposto a correr. Agora, Katniss terá de convencer a todos – inclusive a ele -, de que seu amor por Peeta é real e que seu ato foi puramente uma ação desesperada para salvar seu “amado” – e não um desafio à Capital. Se ela não conseguir conter os motins que se desenrolam com cada vez mais frequência, todos aqueles que ama sofrerão sérias consequências. Mas, após uma tumultuada e intensa turnê, fica evidente que as revoltas indiretamente motivadas pela jovem estão longe de acabar, e, como consequência, severas mudanças no regime de segurança dos Distritos (principalmente do 12) são feitas. Não obstante, uma edição comemorativa de 75 anos dos Jogos Vorazes, o chamado Massacre Quaternário, traz muito mais do que uma reviravolta: os campeões serão forçados a retornar à arena, o que mostrará a face do verdadeiro inimigo.


“Todo o impacto do que ele está dizendo me atinge em cheio. Jamais terei uma vida com Gale, mesmo que eu queira. Jamais terei permissão para viver sozinha. Terei de estar eternamente apaixonada por Peeta. A Capital exigirá isso. Quem sabe não terei alguns anos, porque ainda tenho dezesseis, para ficar com a minha mãe e com Prim. E depois... e depois.... – Você compreende o que eu estou querendo dizer? – ele insiste. Balanço a cabeça afirmativamente. Ele quer dizer que só há um futuro possível, se eu quiser manter aqueles que amo vivos e permanecer viva. Terei de me casar com Peeta”.

       Dentro de uma trama tão boa, é difícil escolher um título favorito, mas “Em Chamas” é um grande concorrente nesta categoria. Apesar de toda a intensidade de “Jogos Vorazes”, é neste segundo volume que a verdadeira ação começa a acontecer, onde nos vemos como testemunhas de uma tensão crescente em direção à revolta de Panem contra a temida Capital. É um enredo cheio de sequências emocionantes e delicadas, onde cada página apresenta uma nova ação, uma nova reviravolta que impede que o leitor pare até mesmo para recuperar o fôlego. Em pouco mais de quatrocentas páginas, Suzanne Collins é muito feliz em todas as suas colocações ao longo da construção da narrativa, tão descritiva e imersiva, seja na impactante cena da visita ao Distrito 11 (lar de Rue), ou na extravagância da Capital, posta à prova em toda a sua “glória” no grande banquete dos vencedores servido ao final da turnê. Em cada palavra, uma crítica social muito bem colocada, o que força o leitor a se dar conta de que, com suas devidas concessões e “liberdade poética”, a trilogia retrata nossa própria realidade, nossa sociedade em conflito constante e crescente e as inquietações que vivemos dia após dia. Com personagens envolventes, que facilmente encantam o leitor a ponto deste realmente se conectar com eles, viver a história através de seus sentidos e emoções conflitantes em relação aos acontecimentos que mudarão para sempre a sociedade em que vivem, Collins fez um trabalho magnífico, criando uma dinâmica totalmente nova e impedindo que a mesmice tomasse conta da narrativa, afinal, mais uma edição dos Jogos se desenrola neste título. Destaque tanto para os personagens já conhecidos do público quanto para os mais novos, que esbanjam personalidade e presença durante todo o desenrolar do enredo, e também para a arena, que nesta edição é muito mais elaborada e interessante do que a do primeiro volume. Entretanto, com todos os pontos fortes que podem ser ressaltados, apenas uma coisa não me agradou completamente: o romance entre os personagens principais, beirando ao protagonismo de um triângulo amoroso, por vezes se mostra desnecessário e até um tanto forçado, sem todo o sentido estratégico que tinha em “Jogos Vorazes”. No mais, “Em Chamas” é um livro que carrega uma grande responsabilidade, nos preparando para o final da trilogia e criando cada vez mais expectativas acerca do futuro com um desfecho eletrizante. E não é apenas o futuro de Katniss e Peeta que está em jogo aqui. Mas o de todos nós, o de toda Panem. 



Sobre a Editora Rocco
Há mais de três décadas demonstrando sensibilidade para detectar as tendências do mercado, ousadia na difusão de novas ideias e agilidade de produção, a Rocco se orgulha por ser uma editora sólida e independente, capaz de se reinventar a cada dia para atender aos anseios do público brasileiro. Seus selos são: Rocco, Rocco Jovens Leitores, Rocco Digital, Bicicleta Amarela, Fábrica 231, Fantástica Rocco, Anfiteatro e Rocco Pequenos Leitores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário