quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Resenha: O Clube de Leitura de Jane Austen


“Cada um de nós tem uma Austen particular. A Austen de Jocelyn escreveu romances maravilhosos sobre amor e namoro, mas nunca se casou. O clube de leitura foi ideia de Jocelyn, que escolheu os integrantes a dedo. Jocelyn tinha mais ideias em uma manhã do que o restante de nós em uma semana, e mais energia também. Era essencial para reintroduzir Austen regularmente em sua vida, dizia Jocelyn, deixa-la olhar ao redor”.

Sinopse: “Cinco mulheres e um homem se reúnem para debater as obras de Jane Austen na Califórnia do início dos anos 2000 e acabam descobrindo, entre casamentos frustrados, arranjos sociais e afetivos, que suas vivências não são assim tão diferentes das experimentadas por Emma ou outras personagens da escritora britânica que tão bem descreveu a sociedade de sua época, dois séculos atrás. No livro, que figurou na lista dos mais vendidos do The New York Times e deu origem ao filme homônimo estrelado por Kathy Baker e Emily Blunt, a premiada escritora norte – americana Karen Joy Fowler disseca as relações contemporâneas com acuidade, humor e ironia dignos da autora de Orgulho e Preconceito e outras obras que continuam fascinando leitores de todas as idades. Uma homenagem a uma das maiores escritoras da língua inglesa e uma deliciosa comédia de costumes dos nossos tempos”.

Título: O Clube de Leitura de Jane Austen. 
Autora: Karen Joy Fowler.
Páginas: 320 páginas.
Editora: Rocco.
ISBN: 978-85-325-304-79.


“Nós seis – Jocelyn, Bernadette, Sylvia, Allegra, Prudie e Grigg – compúnhamos a escalação completa do clube de leitura só-Jane-Austen-o-tempo-todo de Central Valley / River City. Nossa primeira reunião foi na casa de Jocelyn”.

Algumas Impressões 

        Famoso entre os fãs de Austen desde seu lançamento, em 2007 (e que gera opiniões um tanto controversas), o filme “O Clube de Leitura de Jane Austen” teve seu roteiro adaptado deste romance de mesmo nome que recebi através da parceria com a Editora Rocco agora em fevereiro. Por mais que eu me considere uma entusiasta das obras de Austen, tenho de confessar que ainda não tinha ouvido falar sobre ele, e que até me surpreendi ao descobrir que havia um filme - quando eu ainda estava no meio da leitura do livro. Isso porque, a despeito de toda a minha expectativa para este que promete ser uma longa e detalhada discussão acerca dos diferentes romances da autora e suas particularidades, o livro escrito por Karen Joy Fowler deixou a desejar em alguns pontos, que acabaram por prejudicar minha experiência de leitura e envolvimento com a narrativa. Na trama, cinco mulheres e um homem se reúnem mensalmente para ler e discutir cada um dos romances de Jane Austen, apontando suas impressões acerca destes em uma tentativa de interpretar o que afinal a autora quis expressar em seus enredos escritos há séculos atrás. Cada um dos personagens possui dilemas próprios que se mesclam ao enredo ao longo dos capítulos, trazendo um toque contemporâneo e ao mesmo tempo atemporal, uma vez que, à medida que se aprofundam nas páginas de Jane, os integrantes do clube – assim como os leitores de Fowler – passam a perceber como a ficção da época e o presente atual conservam similaridades. Tempos diferentes, indivíduos diferentes, mesmos dilemas humanos.


“Em 1797, o pai de Jane Austen enviou Primeiras impressões a um editor em Londres, chamado Thomas Cadell. “ Como estou bem ciente das consequências de um trabalho desse tipo ser lançado sob a égide de um nome respeitável, recorro a você”, escreveu. Perguntou quanto custaria publicá-lo “por conta e risco do Autor”, e que adiantamento poderia ser oferecido caso o manuscrito fosse apreciado. Estava preparado para pagar ele mesmo se necessário. O livro foi publicado 16 anos mais tarde. O título havia sido mudado para Orgulho e preconceito”.


      Com uma premissa interessante, principalmente para os fãs de Austen, o livro tinha tudo para conquistar. Não me entenda mal, a escrita de Karen Joy Fowler não é ruim, e sim simples e até interessante. Contudo, mesmo tendo prendido minha atenção nos primeiros capítulos, à medida que os meses se passavam (dentro da história, no caso) a narrativa tornou-se arrastada, um tanto maçante. A forma como o enredo foi construído não ajudou, com várias rupturas e incursões longas ao passado dos personagens, uma vez que não desperta o desejo do leitor de se envolver para descobrir o que acontece no capítulo seguinte, quais acontecimentos irão se desenrolar na próxima página. Em essência, a parte mais interessante da experiência foi acompanhar as discussões dos personagens sobre os romances de Jane Austen, pois foram momentos em que eu verdadeiramente consegui me envolver com os diálogos. As colocações de cada personagem foram todas extremamente interessantes, diferenciando-os entre si e expondo opiniões como num verdadeiro debate. Durante o mês de discussão de “Emma”, por exemplo”, me senti como em um clube de leitura real, apenas como ouvinte e observadora dos demais participantes. No geral, o livro não é ruim, apenas não conseguiu me envolver da forma como eu gostaria, mas apresenta um potencial inegável como referência para discussão das obras de Austen e uma oportunidade para revisitar personagens e contextos tão queridos.



Sobre a Editora Rocco
Há mais de três décadas demonstrando sensibilidade para detectar as tendências do mercado, ousadia na difusão de novas ideias e agilidade de produção, a Rocco se orgulha por ser uma editora sólida e independente, capaz de se reinventar a cada dia para atender aos anseios do público brasileiro. Seus selos são: Rocco, Rocco Jovens Leitores, Rocco Digital, Bicicleta Amarela, Fábrica 231, Fantástica Rocco, Anfiteatro e Rocco Pequenos Leitores.

4 comentários:

  1. Tenho esse livro na listinha de desejados já faz um tempinho, mas também não sabia da existência do filme, é sério? rs Vou procurar sobre. Quanto ao livro, é uma pena que ele não tenha te prendido, por ser uma narrativa a respeito de um clube de leitura, acreditei que seria interessante poder enxergar o ponto de vista dos leitores, mas agora que você falou sobre os pontos negativos, acho que entendo onde você se sentiu arrastada pela história rs. Enfim, as fotos tão lindas ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é menina! E eu que ainda não sabia nem de um nem de outro! Hahahahaha Também achei que a narrativa ia me prender por ser sobre um clube de leitura, mas acabou que ela é arrastada sabe? E o número de rupturas me incomodou um pouco. Mas vamos lá né KKKKK Obrigada <3 Um beijo :*

      Excluir
  2. Nunca tive maturidade ou paciencia pra me aventurar pelas muitas obras da Jane Austen, mas esse é um dos livros que me daria uma coceirinha de tentar. Uma pena essa coisa da escrita arrastada, porque a premissa dele é muito boa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu sempre gostei de Austen, mas ainda não li todos os livros dela. Mesmo assim a premissa é ótima e a dinâmica também, mas a narrativa arrastada arrasa a experiência um pouco. Um beijo <3

      Excluir