sábado, 19 de novembro de 2016

Sessão Pipoca: Animais Fantásticos & Onde Habitam


Sinopse: “ O excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York levando com muito zelo sua preciosa maleta, um objeto mágico onde ele carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante suas muitas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte americana, que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar todas as suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo. E tudo isso, em meio a um dos piores momentos que o mundo bruxo já enfrentou”. 

Título: Animais Fantásticos & Onde Habitam
Duração: 2 horas e 13 minutos. 
Direção: David Yates. 
Gênero: Fantasia, Aventura. 
Lançamento: 17 de Novembro de 2016.


Algumas Impressões

           Há quinze anos, em 2001, era lançada a primeira adaptação da obra de J. K. Rowling, “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. Depois disso, foram mais sete filmes aos quais acompanhei religiosamente, comparecendo a cada estreia mesmo desde muito pequena. Ao mesmo tempo em que era possível perceber o crescimento dos atores – e, consequentemente, de seus personagens – os próprios fãs também cresceram, juntamente com eles, e a trama, assim como nos livros, sofreu modificações, passando de algo mais infantil para um enredo adulto e maduro, culminando no desfecho emocionante de “Harry Potter e as Relíquias da Morte”. Quando foi anunciado que um novo longa ambientado neste universo mágico seria lançado, confesso que fiquei com receio, pois a tendência de muitas destas franquias é focar em um novo público, mais jovem, e desconsiderar o amadurecimento dos espectadores (um exemplo é a escandalosa trilogia adaptada de “O Hobbit”, da qual não gostei tanto assim). Contudo, o que se vê em “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, que estreou nos cinemas brasileiros no dia dezessete de novembro e é o primeiro de cinco produções que chegarão às telas nos próximos anos, foge à estas especulações, investindo em uma trama adulta ao mesmo tempo em que é capaz de conquistar um público com ampla faixa etária – até porque, a maior parte do público que cresceu com as aventuras do menino que sobreviveu é jovem adulto ou adulto hoje em dia. Mas, independentemente, o que não falta neste filme de pouco mais de duas horas de duração é magia. Com roteiro original da própria J. K. Rowling e levando o título de um livro citado em Harry Potter, o filme gira em torno do autor da obra, Newt Scamander (Eddie Redmayne), ex-aluno de Hogwarts que chega à cidade de Nova York com uma maleta repleta de animais mágicos. Após uma pequena confusão com um “trouxa” (que, por sinal, é um “não-maj” para os bruxos norte-americanos), algumas das criaturas acabam fugindo e Newt tem de capturá-las antes que causem algum mal.


         Com esta premissa simples, à primeira vista a trama pode parecer pouco interessante, mas quem se deixa levar apenas pela sinopse não sabe o quanto está enganado. O roteiro se mostra complexo à medida em que o tempo vai passando, inserindo diversas camadas de narrativa e introduzindo de forma brilhante o universo mágico dos Estados Unidos, com toda a sua estrutura congressista e presidencial, bem diferente do que já foi mostrado até o momento, ou seja, o modelo britânico. Além disso, o enredo abre espaço até mesmo para uma pequena comparação entre os dois modelos de governo bruxo e as respectivas escolas de magia, como em uma passagem interessante onde Newt acusa os bruxos americanos de possuírem conceitos retrógrados em relação a diversas questões. O momento para a chegada do magizoologista não poderia ser mais conturbado, uma vez que a cidade de NY tem sido atormentada por ataques frequentes de uma força mágica e misteriosa. Além disso, a comunidade bruxa do mundo inteiro vive sob a ameaça de Gellert Grindelwald (Johnny Depp), um perigoso bruxo das trevas. Trazendo à tona temas como repressão, fanatismo religioso e o famigerado medo do desconhecido, o enredo também levanta as bandeiras do empoderamento feminino e da representatividade, uma vez que a presidente da comunidade mágica norte-americana é uma mulher negra. Espera-se que os próximos filmes sigam a mesma tendência, a exemplo do rumor de que uma possível relação entre Dumbledore e Grindelwald na juventude seria abordada (o que não foi confirmado por nenhuma fonte envolvida nas produções até o momento). Mesmo não sendo um filme repleto de referências diretas à saga Harry Potter, é possível notar pequenas dicas, como feitiços já conhecidos, sobrenomes de personagens famosos, menções às Relíquias da Morte e ao próprio Dumbledore, mas já era de se esperar que Animais Fantásticos fosse uma obra mais fechada em si mesma, uma vez que se passa vários anos antes da história já conhecida do público.


    O elenco, que traz nomes em destaque atualmente, como Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa) e Ezra Miller (Liga da Justiça, Batman vs. Superman, As Vantagens de Ser Invisível), também conta com Katherine Waterston, Colin Farrell, Samantha Morton, Jon Voight, Alison Sudol e Zoë Kravitz, além de Dan Fogler, que proporciona o alívio cômico como um “trouxa” (ou “não-maj”) que se vê arrastado para a ação cheia de magia, e Johnny Depp (Piratas do Caribe, A Fantástica Fábrica de Chocolates, O Cavaleiro Solitário), cuja escolha para o papel de Grindelwald se mostrou controversa e não agradou grande parte dos fãs da franquia (não tanto por sua capacidade como ator, mas pelos escândalos envolvendo agressões à sua ex-esposa – que ao que parece foram convenientemente esquecidas). Fugindo ao clichê, Eddie se mostrou a escolha perfeita para o papel de Newt, dando vida a um personagem que não é o típico herói, mas sim alguém disposto a ajudar, um tanto atrapalhado e muito sensível. Com uma trilha sonora original, James Newton Howard não decepciona os fãs mais nostálgicos ao introduzir acordes do tema criado por John Williams para os filmes da franquia HP ainda na abertura. Também dignos de nota, os efeitos visuais fazem jus ao “fantásticos” do título, principalmente no que diz respeito aos animais que Newt leva na maleta, e tudo isso sob a direção de David Yates - que também dirigiu os quatro últimos filmes de Harry Potter -, que apresenta aos expectadores uma trama em tons mais sombrios, com boa parte da ação acontecendo no crepúsculo ou à noite. Uma volta em grande estilo ao universo criado por J. K. Rowling, “Animais Fantásticos e Onde Habitam” também marca a abertura de infinitas possibilidades, que podem levar os próximos filmes a explorar tanto a figura de Grindelwald e seu conflito com Dumbledore, quanto aprofundar-se na história do próprio Newt Scamander. Agora o que nos resta é assistir em looping esta obra maravilhosa e aguardar, mesmo que ansiosamente, o próximo filme.


2 comentários:

  1. Eu AMEI esse filme! Que 3D foi esse! Era tudo muito real!
    Eu amo os filmes de Harry Potter, não só pela história, mas por poder ver o universo mágico, porém eu nunca tinha visto no cinema, uma telona enorme e ainda com as coisas pulando para fora, e esse filme me proporcionou isso, hahaha!
    Os atores são maravilhosos, todos fizeram o seu trabalho muito bem <3 Eu amei o filme!
    Cheiro de Pipoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também AMEI <3 Assisti e já saí querendo ver de novo, porque NOSSA! Preciso disso em dvd para assistir em looping NOW hahahaha Um beijo :*

      Excluir