quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Resenha: Biblioteca de Almas


“Eu. Eu tinha feito aquilo. Jacob Portman, um garoto insignificante de Lugar Nenhum, Flórida. Ele não ia nos matar naquele momento, aquele horror feito de uma compilação de trevas e pesadelos extraídos de crianças adormecidas, porque eu lhe pedira. Mandei, em termos bem claros, tirar a língua do meu pescoço. Para trás, ordenei. Parado, falei, em uma língua feita de sons que eu não sabia que uma boca humana era capaz de articular, e, milagrosamente, foi o que ele fez, os olhos me desafiando enquanto o corpo obedecia. De algum modo, eu havia domado o pesadelo, lançado um feitiço sobre ele”.

Sinopse: “Um poder extraordinário. Um exército de monstros. Uma batalha épica pela sobrevivência do mundo peculiar. Jacob jamais pensou que fosse embarcar em uma aventura como essa. Depois de perder o avô, conhecer crianças com habilidades peculiares em uma fenda temporal e partir pelo mar em uma busca desesperada para curar a Srta. Peregrine, ele finalmente vai se deparar com a inevitável conclusão dessa turbulenta jornada. Jacob descobre uma poderosa habilidade e não demora a explorá-la para resgatar os amigos peculiares e as ymbrynes da fortaleza dos acólitos. Junto com ele vai Emma Bloom, uma menina capaz de produzir fogo com as mãos, e Addison MacHenry, um cão com faro especial para encontrar crianças perdidas. Partindo da Londres dos dias atuais, o grupo vai percorrer as ruelas labirínticas do chamado Recanto do Demônio, uma complexa fenda temporal que abriga todo tipo de vícios e perversões. É ali que o destino de peculiares de toda parte será decidido de uma vez por todas. Tal como os volumes anteriores da série, Biblioteca de Almas une fantasia, aventura e sombrias fotografias de época para criar uma experiência de leitura única”. 

Título: O Lar da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares: Biblioteca de Almas (Livro 03).
Autor: Ransom Riggs.
Páginas: 416 páginas.
Editora: Intrínseca.
ISBN: 978-85-8057-966-6. 


“Era possível atravessar a ponte correndo em menos de um minuto, calculei, mas por que correr? Porque, pensei, com uma frase de Tolkien se materializando em minha cabeça, não se entra simplesmente caminhando em Mordor. Começamos em um passo apressado, seguidos por murmúrios e risos abafados. Olhei de volta para os mendigos. Certos de que estávamos prestes a encontrar algum fim horrível, eles estavam se remexendo, à procura de um melhor ângulo de visão. Só faltava pipoca. Tive vontade de voltar e jogar até o último deles no rio fervente. Em alguns dias vamos ter seus sumos. Eu não sabia o que isso queria dizer e esperava nunca descobrir”.

Algumas Impressões 

          Mal posso acreditar que já estamos no fim deste mês de “Especial Peculiar”. Com todas as suas idas e vindas, este ano está passando muito rápido (já é quase o Natal e eu não sei o que estava fazendo até agora minha gente), e se tem uma coisa pela qual eu agradeço muito, é a oportunidade de conhecer novos autores e histórias, principalmente por conta das parcerias com as editoras. Olhando em perspectiva, a série “O Orfanato (ou Lar) da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”, do autor Ransom Riggs, foi um dos meus maiores “presentes literários” de 2016, pois soube me conquistar através de uma narrativa original, complexa e extremamente peculiar. No primeiro volume, que leva o nome da brilhante trilogia criada por Riggs, somos apresentados às misteriosas e também fantásticas histórias que permeiam o orfanato, através dos contos de ninar que Abe Portman passou anos contando a seu neto, Jacob. Localizada em uma ilha remota no País de Gales, a casa é o lar de um grupo de crianças peculiares há mais de setenta anos, onde o dia 3 de setembro de 1940 se repete todos os dias, religiosamente. A trama é complexa e dotada de infinitas possibilidades por conta das diversas fendas temporais e viagens no tempo que se tornam possíveis pelo poder das ymbrynes, peculiares com uma habilidade única de controle do tempo – e que ainda por cima podem se transformar em aves. O universo peculiar criado pelo autor faz com que o leitor se apaixone profundamente por sua narrativa fantástica, permeada por personagens únicos e muito bem construídos (clique para ler a resenha). Já o segundo volume da trilogia, “Cidade dos Etéreos”, começa exatamente onde o primeiro parou, em um desfecho aberto a muitas possibilidades e que cria uma expectativa crescente por saber o que de fato acontecerá com as crianças peculiares. Em uma jornada arriscada em busca da cura da Srta. Peregrine, presa na forma de ave por conta de uma armadilha dos acólitos, Jacob Portman precisa mais do que nunca desenvolver suas habilidades únicas, numa tentativa desesperada de garantir a segurança do grupo contra seus terríveis inimigos, principalmente contra os etéreos, ex-peculiares monstruosos, ávidos por consumir a alma de seus antigos irmãos (clique para ler a resenha). Através da união entre o texto e as curiosas e por vezes assustadoras fotografias de época, o leitor descobre a cada página um pouco mais sobre o vasto e intrincado universo peculiar – e com uma vontade arrasadora de saber cada vez mais.

  

“Ele apontou para o álbum no chão com a cabeça e esperou enquanto encontrávamos as fotos. Uma delas, tirada à noite em algum matagal nebuloso, tinha uma faixa de fogo na vertical, um jato enorme e distante de energia luminescente que brilhava no céu noturno como uma chuva de prata do tamanho de um arranha-céu. A outra era um vilarejo em ruínas feito de entulho, casas destroçadas e árvores descascadas. Só de olhar para aquilo, eu quase podia ouvir o uivo de um vento solitário; o silêncio palpável de um lugar cuja vida fora repentinamente roubada”.

       “Biblioteca de Almas”, o desfecho desta trilogia (publicada a partir do segundo volume pela Editora Intrínseca), reserva muitas surpresas para aqueles que acompanham a série. A cada nova página, grandes reviravoltas e revelações inimagináveis fazem com que o enredo se torne um dos mais cativantes e emocionantes que já li este ano, tanto através dos atos dos personagens já conhecidos do público quanto da introdução de novos e decisivos para a trama. Particularmente, ao longo da leitura dos dois volumes anteriores da série criei uma espécie de panorama, uma teoria que ia aos poucos sendo amadurecida com a montagem do intrincado quebra-cabeças de mistérios que é a narrativa criada por Riggs. Contudo, este terceiro volume revelou, através das descobertas e sob a visão de Jacob Portman, que a maior parte de meus palpites estava errada. Contrariando as expectativas, gosto muito quando isso acontece, pois o enredo se torna infinitamente mais interessante ao me surpreender, provando que eu estava errada em minhas considerações anteriores. Com o uso de temáticas fantásticas, o autor soube trabalhar com maestria, manipulando o tempo de forma única e dando vida a um universo vasto, curioso, misterioso, extremamente interessante, e, acima de tudo, muito peculiar. A última série que me deixou empolgada de tal forma foi “Os Legados de Lorien”, e se tem uma coisa que gosto quando escolho uma nova leitura, é que ela me envolva de forma profunda, captando ao máximo o meu interesse e me levando a pesquisar e ler cada vez mais. Ouso dizer que “Biblioteca de Almas” ser o último livro desta trilogia é, ao mesmo tempo, uma benção e uma tristeza. Uma tristeza, pois sinto que ainda há muito deste maravilhoso universo a ser explorado, várias peculiaridades a serem descobertas e fendas temporais a serem visitadas. Por outro lado, uma benção, pois o autor não poderia ter escolhido uma forma melhor para finalizar esta brilhante e maravilhosa trama. Uma leitura recomendada para normais e peculiares, em qualquer lugar ou época. Que as Aves nos protejam!


Sobre a Intrínseca

Uma editora jovem, não só na idade – afinal foi fundada em dezembro de 2003 – mas no espírito inovador de optar pela publicação de ficção e não ficção priorizando a qualidade, e não a quantidade de lançamentos. Essa é a marca da Intrínseca, cujo catálogo reúne títulos cuidadosamente selecionados, dotados de uma vocação rara: conjugar valor literário e sucesso comercial.


2 comentários:

  1. Mas o livro sem a jacket é lindo demais! <3
    Eu comecei a entender hoje o assunto desse livro por causo do cartaz do filme e agora descobri que é uma série, muitas informações para um dia. E três de setembro acontece de ser o meu aniversário. Já gostei. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é maravilhoso <3 O Cidade dos Etéreos também é lindo demais e mal posso esperar pela edição também em capa dura que a Intrínseca vai lançar do primeiro volume da série ainda esse ano! <3 Eu sou completamente apaixonada por este último em especial, porque, olha essa cor! AMO <3 Eu assisti ao filme ontem e ainda hoje sai a resenha! Acho que você vai curtir a série, é muito original <3 Um beijo : *

      Excluir