quinta-feira, 28 de julho de 2016

Resenha: O Ano em Que Disse Sim


“Imaginar é meu trabalho agora. Escrevo roteiros para programas de televisão. Invento personagens. Crio universos inteiros em minha mente. Invento palavras nas conversas do dia a dia – talvez você se refira a sua vajayjay e conte a sua amiga que alguém do trabalho tomou um sermão no maior estilo Pope por causa dos meus programas. Eu dou à luz bebês, acabo com vidas. Danço para esquecer. Uso o chapéu branco. Opero. Luto. Exonero. Eu giro novelos, conto contos e sento em volta da lareira do acampamento”.

Sinopse: Neste livro comovente, hilariante e profundamente pessoal, Shonda Rhimes, a mulher mais poderosa de Hollywood, criadora das séries Grey’s Anatomy e Scandal e produtora executiva de How to Get Away With Murder, revela como dizer SIM mudou sua vida para sempre – que pode ser o ajuste que falta para mudar a sua também. Com três programas de sucesso na TV e três filhas para cuidar, Shonda Rhimes tinha motivos de sobra para recusar qualquer convite. Uma festa em Hollywood? Não vai dar. Discursar em público? Não tenho tempo. Aparições na mídia? Nem pensar! Mas durante o Dia de Ação de Graças de 2013 a irmã de Shonda lhe diria seis palavrinhas que mudariam tudo: Você nunca diz sim para nada. Profundo, emocionante e incrivelmente divertido, O ano em que disse sim mostra como uma palavra mudou – e salvou – a vida de Shonda Rhimes. E inspira todos os leitores a repensarem suas próprias atitudes com apenas uma palavra: SIM. 

Título: O Ano em Que Disse Sim: Como dançar, ficar ao sol e ser a sua própria pessoa. 
Autora: Shonda Rhimes. 
Páginas: 256 páginas.
Editora: Best Seller. 
ISBN: 978-85-7684-988-9.


“Tenho consciência de que atualmente vivo uma realidade muito tranquila. Sei que sou extremamente sortuda. Sei que tenho filhas incríveis, uma família fantástica, amigos ótimos, um emprego espetacular, um lindo lar e todos os meus braços, minhas pernas, os dedos das mãos e dos pés e os órgãos intactos. Sei que não tenho o direito de reclamar. Não sobre a minha vida em comparação à vida de qualquer outro. A não ser que esse qualquer outro seja a Beyoncé. Droga, minha vida é tão ruim em comparação com a da Beyoncé. E a sua também. A vida de todos nós é muito ruim em comparação com a dela”.

Algumas Impressões 

       Pense em uma biografia que não é bem uma biografia e num livro de autoajuda que também não é bem o que parece ser. Parece confuso, mas não consigo pensar em outra forma para começar a descrever o que é a narrativa que a irreverente Shonda Rhimes trás em “O Ano em Que Disse Sim: Como dançar, ficar ao sol e ser a sua própria pessoa”. É bem verdade que nem todo mundo conhece Shonda, mas com toda a certeza já ouviram falar dos programas dela. Sucesso há mais de uma década com a série de TV “Grey’s Anayomy”, ela também é roteirista e produtora de “Private Practive” e “Scandal”, além de produtora do mais recente sucesso “How to Get Away With Murder”. “Grey’s Anatomy” foi uma das primeiras séries pelas quais me apaixonei, e depois de tantos anos ouvindo as palavras de Shonda através das falas de tantos atores, foi com aquela impressão de que eu com toda certeza ia gostar que comecei esta leitura. A premissa é simples: tímida e introvertida desde criança, Shonda não tinha muita vida social e – além de cuidar de suas três filhas – só vivia para o trabalho. Mas, em um fatídico dia de ação de graças, depois de uma fala de sua irmã mais velha, ela resolve se lançar um desafio: aceitar as oportunidades e embarcar no que chamou de “Ano do Sim” (que para ser bem exata durou 18 meses, na verdade).

     Com uma narrativa divertida e repleta de referências às séries produzidas por seu escritório, Shondaland, além de um ritmo famíliar, como uma narração em off de “Grey’s Anatomy”, o livro é acima de tudo uma conversa franca, com indicações, conselhos, algumas lições e diversos momentos de identificação entre os leitores e a autora, que narra como sua vida mudou no período em que resolveu olhar para ela com novos olhos, sob uma perspectiva mais otimista e confiante. Além das histórias engraçadas e irreverentes narradas por ela, os ótimos discursos que ela se propôs a fazer nesse período também fazem parte do enredo, inclusive o que ela fez na ocasião da homenagem que recebeu como uma das mulheres mais poderosas de Hollywood (aliás, a lista de prêmios que essa mulher já ganhou ou foi indicada é bem extensa!). Para mim, foi um livro que veio no momento certo. Por mais que determinadas coisas ainda não façam sentido (como as partes sobre maternidade, por exemplo), as palavras de Rhimes são mais do que esclarecedoras e encorajadoras para alguém que acabou de se formar na universidade e enfrenta aquela fase decisiva, onde de fato começamos a entender o que a vida adulta significa. Mais responsabilidades, hábitos e compromissos diferentes, muito trabalho duro, contas. Particularmente, esse é um daqueles livros que você pode indicar para qualquer pessoa, por mais que todos nós sejamos diferentes. Pois, nas mais diversas situações, mesmo que involuntariamente, Shonda tem uma palavra de sabedoria.


Sobre Shonda Rhimes

É a aclamada e premiada criadora e produtora executiva dos sucessos televisivos “Grey’s Anatomy”, “Private Practice” e “Scandal”, e produtora executiva de “How to Get Away with Murder”. Shonda também foi roteirista de filmes como “O diário da princesa 2: Casamento real”, “Crossroads: Amigas para sempre” e “Dorothy Dandridge: O brilho de uma estrela”. Shonda possuí bacharelado em Literatura Inglesa e Escrita Criativa e é pós-graduada pela USC School of Cinema – Television. Nascida em Chicago, Illinois, a autora agora vive em Shondaland, um lugar bastante real e bastante imaginário, provavelmente não muito longe de Los Angeles. Ela é a mãe orgulhosa de três meninas.


Sobre o Grupo Editorial Record

Uma empresa 100% nacional: o maior conglomerado editorial da América Latina fala português. Com onze perfis diferenciados — Record, Bertrand Brasil, José Olympio, Civilização Brasileira, Rosa dos Tempos, Nova Era, Difel, BestSeller, Edições BestBolso, Galera e Galerinha — o objetivo é sempre trazer o que há de melhor para o leitor brasileiro.


8 comentários:

  1. Esse livro me lembro de um filme que o cara tem que passar um dia inteiro dizendo sim pra tudo. Não sei o motivo, mas isso me agrada demais, parece meio que um desafio pra gente aprender a lidar com as coisas e não desanimar. Viver de fato rs. Enfim, amei a ideia do livro, não conhecia ele, mas já entrou pra listinha ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ha eu lembrei dele também KKKKK Mas o livro dela, apesar de bem sério em relação aos acontecimentos, também tem uma pegada cômica. Muito bacana e descontraída. Sim! Um beijo : *

      Excluir
  2. Eu tô louca para ler esse livro!
    Já vi algumas resenhas, e só fico imaginando como deve ter sido viver essa experiência de dizer sim para as coisas, e como eu quero viver isso também! Com certeza eu vou ler esse livro até o fim do ano!
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é muito legal! Eu não esperava que fosse assim, já que não gosto dessa coisa auto ajuda, mas ele me surpreendeu por sair do óbvio sabe. É mais uma conversa. Amei a escrita dela! Lê e me conta o que achou! Um beijo : *

      Excluir
  3. Uau, eu amei a proposta desse livro! Já passei um ano da minha vida dizendo sim e sei bem como isso pode ser positivo. Mas o fiz por conta de um filme: Sim, senhor (por sinal, super o recomendo). Claro que dizer sim pra tudo tem seu lado negativo, a gente tem que ter uma certa noção de que nem tudo nos cabe, mas ser mais aberta pra vida é algo maravilhoso e revolucionário.

    Beijo!
    ;*

    P.S.: que lindo seu blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também! Enquanto lia fiquei pensando em como deve ser essa experiência, e não sei se teria toda essa coragem, principalmente por conta dos lados negativos. Mas também acredito que deve ser algo muito positivo, abrindo nossos olhos para novas possibilidades. Eu já vi o filme! Curti muito também! Obrigada <3 <3 Um beijo : *

      Excluir
  4. A premissa desse livro me pareceu bem legal principalmente pelo fato de não ser declaradamente um livro de auto-ajuda, acho que dessa forma o diálogo ficou mais intimista, como se fosse uma conversa entre amigos e troca de conselhos. Pelo menos foi isso o que eu pude perceber com a sua resenha. Quase o solicitei na parceria, mas acabei optando por outro, enfim, parece um livro de bastante conteúdo! Beijos!! http://colorindonuvens.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu acho que ficou mais sutil e bem mais legal, porque a narrativa da Shonda é engraçada, pessoal, mais como um relato ou uma conversa entre amigos mesmo, como você falou. <3 Um beijo : *

      Excluir