quarta-feira, 25 de março de 2015

Resenha: Cidades de Papel


    O livro conta a história de Quentin Jacobsen, um adolescente que é apaixonado platonicamente  por sua vizinha e colega de classe (e, em sua opinião, seu milagre) Margo Roth Spielgeman, uma garota popular e misteriosa. Eles se conheciam desde pequenos e até os dez anos de idade eram amigos inseparáveis. Até que os dois encontram um homem morto em um parque. Para Q, algo mudou em Margo naquele dia, e, com o tempo, cada um acaba por seguir seu próprio caminho. No último ano da escola, em um cinco de maio qualquer, Margo invade o quarto de Quentin durante a noite, com o rosto todo pintado de preto e vestida de ninja, convidando-o a participar de um engenhoso plano de vingança em nove etapas. Ele aceita, e vive uma das melhores noites de sua vida.

"Na minha opinião, todo mundo tem seu milagre. Por exemplo, muito provavelmente eu nunca vou ser atingido por um raio, nem ganhar um prêmio Nobel, nem ter um câncer terminal de ouvido. Mas, se você levar em conta todos os eventos improváveis, é possível que pelo menos um deles vá acontecer a cada um de nós. Eu poderia ter presenciado uma chuva de sapos. Poderia ter me casado com a rainha da Inglaterra ou sobrevivido meses à deriva no mar. Mas meu milagre foi o seguinte: de todas as casas em todos os condados da Flórida, eu era vizinho de Margo Roth Spiegelman. - Q".

    Mas tudo se complica com o desaparecimento de Margo no dia seguinte. Enigmática e sempre em fuga, deixando pistas de seu paradeiro, à principio não desperta preocupação. Mas quando os dias começam a passar sem notícias de onde ela pode estar, Quentin decide seguir as migalhas deixadas para encontrá-la. É aí que a verdadeira aventura começa. Como fruto de suas investigações, ele se vê em meio a caminhos que o levam à cidades de papel e lugares abandonados, sempre na esperança de encontrar a Margo que ele pensava conhecer. Mas, quanto mais se aproxima do lugar que acredita que ela esteja, mais percebe o quão diferente é do que ele imaginava. 


 "[...] Estava tudo ali: meu mundo inteiro, e eu conseguia vê-lo só de andar ao longo de um prédio.- É mais impressionante - disse eu, em voz alta. - Assim, ao longe. Não dá para ver o desgaste das coisas, entende? Não dá para ver a poeira ou as ervas daninhas ou a tinta rachando. A  gente enxerga o lugar da forma como alguém um dia o imaginou.
- De perto tudo é mais feio - disse ela.
- Não você - respondi sem pensar.
Mantendo a testa apoiada no vidro, ela se virou para mim e sorriu".

Título: Cidades de Papel (Paper Towns).
Autor: John Green.
Editora: Intrínseca.
Páginas: 368 páginas.
ISBN: 978-85-8057-374-9.


     Li este livro faz um tempo, mas com o lançamento do primeiro trailer da adaptação para o cinema decidi que já era hora de tomar coragem e escrever uma resenha. A escrita de John Green é algo que me chama à atenção desde que li A Culpa é das Estrelas. Simples, mas envolventes, suas histórias nos levam a desejar mais informações, a seguir os personagens através das diversas reviravoltas do enredo. Através de um misto de sub temáticas (papais noéis negros, festas, cidades de papel e romance adolescente) o livro nos convida a refletir sobre as pessoas, e a forma como - às vezes - as colocamos em "pedestais", nos esquecemos de que são humanas como qualquer outra. No fim, somos apenas pessoas. Tudo na história se completa, e, apesar de ter achado que o final poderia ter sido diferente, gostei do modo como o autor utiliza destes elementos para tecer o destino dos personagens.



   O filme "Cidades de Papel", que tem estréia prevista para 16 de julho deste ano, conta com Nat Wolff e Cara Delevingne nos papéis de Quentin e Margo. A direção é de Jake Schreier e a distribuição da FOX Filmes.  E você, já leu o livro? Quem ai está ansioso pelo filme levanta a mão! \õ/ 

16 comentários:

  1. Acho que todos que leram esse livro pensam a mesma coisa: o final poderia ter sido diferente aueiuaheiuh. Eu adoro os livros do John, e esse também é muito bom, mas tem esse apesar. Fiquei um tanto indignada quando terminei de ler, mas tudo bem né, o que me resta é imaginar um final alternativo haha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fiquei um pouco indignada com o final KKKK Cheguei a pensar outro para ele, mas o original sempre vem à mente. Os livros dele são muito bons <3 Um beijo : *

      Excluir
  2. Já li umas mil resenhas desse livro e mesmo todas falando bem dele, eu não sinto vontade? de ler. Já prometi a mim mesma dar uma chance e espero gostar. Quem sabe com o filme eu não me animo né? Anyway, sua escrita é maravilhosa, parabéns!

    http://anneandcia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto bastante dos livros do John! Na minha opinião, a pesquisa detalhada que ele faz para escrever cada livro é o que mais pesa no resultado final. Muito obrigada! <3 Ao que parece o filme vai ser fiel a história do livro, mas só saberei mesmo quando assistir! Um beijo : *

      Excluir
  3. Pra ser bem sincera (e correndo o risco de apanhar dos fãs mais assíduos), nunca me interessei em ler nenhum livro de John Green. Apesar de várias boas críticas que já vi, nenhuma de suas histórias me pareceu empolgante. Quando assisti o trailer de "Cidades de Papel", pensei em dar uma chance pelo menos ao filme, porque a ideia em si é interessante. Mas lendo sua resenha, pela primeira vez tive curiosidade em ler um livro dele. O modo que você explicou parte do enredo e a rede de mistérios ao qual a história se desenvolve, de fato me interessou. E o fato de você ser sincera e dizer que não gostou muito do fim torna tudo mais "real", porque muita gente acha que ao se fazer uma resenha, obrigatoriamente se deve só falar bem. Agora estou instigada a ler pra também poder ter um ponto de vista. Sua resenha foi incrível.
    Um abraço ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A primeira história dele pela qual me interessei foi A Culpa das Estrelas, e em sequência fui lendo seus outros livros. O último foi Cidades de Papel, e apesar de não ter gostado do final, é um bom livro, pois justamente esta rede que você falou prende o leitor mais curioso. Que bom que gostou! Muito obrigada, fico feliz que minha resenha tenha feito você olhar para a história com outros olhos, pelo menos um pouquinho! Um beijo : *

      Excluir
    2. A propósito, esqueci de perguntar: esse cenário das fotos do livro foi você que fez? Tá tudo tão lindo, super combina com o tema >.<

      Excluir
    3. Foi sim! Eu tive a ideia por causa do nome e acabou ficando bacana! Que bom que gostou <3

      Excluir
  4. Gostei muito da sua resenha, já tinha lido várias é um livro bem popular e da pra saber porque né. Ele é muito bom *-*
    Adorei suas fotos também.
    :*

    http://www.cherryacessorioseafins.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Eu também gosto bastante dele <3 Um beijo : *

      Excluir
  5. Já li o livro e confesso que gostei, mas me decepcionei em algumas partes. Gostei muito de sua resenha, me fez querer ler o livro de novo, rs.

    Twee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não fiquei satisfeita com algumas partes, mas o livro em si é bom : D Obrigada! Um beijo :*

      Excluir
  6. Eu gosto bastante do modo de escrever do John Green (eu li dois livros dele) mas sei lá, não senti curiosidade pra ler esse. Acho que vou esperar pelo filme haha, de qualquer modo, adorei sua resenha (eu estou numa luta para conseguir fazer uma resenha decente, ou eu gosto de uma coisa e só sei elogiar como uma louca, ou o contrário, louca do mesmo jeito haushhaus)

    Bj
    http://classicheap.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acredito que só não li um livro dele (Aquele Will e Will), e por ter gostado dos primeiros que li, fui tendo curiosidade em ler os outros em sequência. Eu passei muito tempo pensando na estrutura das resenhas para finalmente começar a escrevê-las! Acabou que não é tão difícil quanto eu pensava! Um beijo : *

      Excluir
  7. Eu já li quase todos os livros do John Green e gosto da forma que ele escreve, são livros leves que faz você mergulhar na história e esquecer o resto. Sobre Cidades de Papel, eu gostei do livro só não sei se vou gostar do filme. Só pelo traine eu não gostei da atuação da Cara, mas pode ser que eu mude de ideia, agora é só esperar.

    Beijos, Gabi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu estou na mesma. Já li quase todos os livros dele e a escrita me encantou. Mas como eu tenho receio de adaptações em geral, estou tentando não criar tantas expectativas! Um beijo : *

      Excluir