segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Sessão Pipoca: Thor: Ragnarok

Sinopse: “Thor está aprisionado do outro lado do universo, sem seu martelo, e se vê em uma corrida para voltar até Asgard e impedir o Ragnarok – a destruição de seu lar e o fim da civilização asgardiana – que está nas mãos de uma nova e poderosa ameaça, a terrível Hela. Mas primeiro ele precisa sobreviver a uma batalha de gladiadores que o coloca contra seu ex-aliado e vingador – o Incrível Hulk"

Título: Thor: Ragnarök.
Duração: 2 horas e 11 minutos. 
Direção: Taika Waititi. 
Gênero: Ação, Fantasia, Aventura e Ficção Científica. 
Lançamento: 26 de outubro de 2017.

AVISO: Pode conter spoilers desta e de produções anteriores do MCU.

 

Algumas Impressões

Faz tempo desde a última vez que falei sobre um filme do MCU, o Universo Cinematográfico da Marvel, por aqui, mas não podia deixar de comentar sobre o mais novo lançamento da produtora, “Thor: Ragnarök”. Não sei se você sabe, mas os filmes dos heróis da Marvel Comics possuem uma organização intrínseca, tecida através de particularidades dos enredos e cenas pós-créditos, que ligam uma produção à outra. Desde 2008, quando o primeiro filme totalmente produzido e financiado pela Marvel Studios chegou às telas (“Homem de Ferro”), a bem-sucedida sequência de filmes já alcançou três fases, a primeira concluída em 2012, com “Os Vingadores”, e a segunda em 2015, com “Homem-Formiga”. E o sucesso foi tanto que a Marvel se arriscou para além da bolha apostando em personagens menos hypados, como o próprio Homem-Formiga, os “Guardiões da Galáxia” (2014) e “Doutor Estranho” (2016). E este último em particular é fundamental para o desenvolvimento do terceiro longa focado na história do “deus do trovão”, que chegou aos cinemas no fim de outubro.


Depois de explorar uma mistura bem equilibrada de romance, humor e ação em “Thor” (2011) e pecar pela falta de desenvolvimento e profundidade em “Thor: Mundo Sombrio” (2013), a Marvel parece ter finalmente encontrado a receita para oferecer uma boa trama relacionada ao personagem, principalmente por conta da direção criativa de Taika Waititi, conhecido pelo sucesso indie “O Que Fazemos nas Sombras” (2014). Seguindo a linha do próprio “Guardiões da Galáxia” (dirigido por James Gunn), o filme tem personalidade e uma atmosfera quase oitentista, unindo a ação inerente ao apocalipse nórdico à uma aura de comédia, uma vez que a maior parte das piadas são feitas pelo protagonista. Logo no início, vemos a continuação de uma das cenas pós-créditos de “Doutor Estranho”, quando Thor (Chris Hemsworth) e seu irmão, Loki (Tom Hiddleston), vêm à Terra em busca de seu pai, Odin. A partir daí a trama se desenvolve em torno do surgimento da vilã Hela (Cate Blanchett), e Thor acaba em um planeta estranho, sendo obrigado a virar um dos gladiadores do Grão-Mestre, personagem de Jeff Goldblum.

É nesta parte que o enredo surpreende, unindo duas grandes histórias do universo dos quadrinhos de forma natural, sem explicações sem sentido ou furos de continuação: “Thor: Ragnarök” e “Planeta Hulk”. Como gladiador, Thor é obrigado a enfrentar o ex-amigo de trabalho, Hulk, e pela primeira vez no Universo Cinematográfico da Marvel este é desenvolvido de forma mais profunda, representado não apenas como um cientista cujo experimento deu errado ou uma máquina de destruição. A interação entre ele e Thor é um dos pontos fortes do longa, bem como a química entre o “deus do trovão” e o “deus da trapaça”, que tem se mostrado um personagem cada vez mais misterioso e cheio de potencial para o que ainda está por vir. Somados à personagem de Tessa Thompson, os quatro formam quase uma nova equipe. Mas, como já era de se esperar, nem tudo foi tão bem trabalhado. Apesar da brilhante atuação, o visual encantador e a notável presença em cena de Cate Blanchett, a vilã Hela deixa a desejar no quesito profundidade, e, apesar de ameaçadora e determinante para o desfecho da trama, não foi muito explorada – por mais que possuísse potencial de sobra para isso. 

Por fim, a união do trabalho da equipe montada por Waititi, que tem Javier Aguirresarobe na direção de fotografia, Zene Baker e Joel Negron na montagem e o compositor Mark Mothersbaugh na trilha sonora, oferece um ótimo resultado, com destaque para as cenas de ação, que são visualmente mais interessantes pelo fato da maioria se passar durante o dia (Alô, DC Comics? Sim, essa foi para você). Além disso, a atmosfera criada é quase nostálgica, tudo devido a uma experiência sonora e visual bem planejada, com efeitos na medida e uma aura bem psicodélica. O consenso entre a crítica é de que o principal mérito de “Thor: Ragnarök” é o de não se levar à sério, entendendo que sua função é a de ser uma ponte dentro deste intrincado universo, preparando o terreno para “Vingadores: Guerra Infinita”, que deve encerrar a terceira fase do MCU. Sobre as cenas pós-créditos, são duas, e o que a primeira têm de importante para as próximas produções, a segunda tem de completamente desnecessária.

4 comentários:

  1. Miga, vamos combinar que o ponto forte mesmo do filme inteiro é o próprio Thor ♥♥ aiuehiuahe, dá pra dar uns suspiros. Eu gostei bastante do filme, até da forma como juntaram humor e a seriedade dos filmes da Marvel ao mesmo tempo. Senti que o Thor, mais do que nos outros filmes, tá bem ele mesmo, e isso me cativou. Admito que não gostei da nova personagem (valquíria (?)), parece que ficou uma personagem forçada. Esperava um pouco mais dela como "girl boss".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miga, eu amei o novo visual, apesar de ser diferente das HQs hahaha Mas confesso que meu amor mesmo é o Loki, porque aquele Tom... ai ai. Também esperava que ela fosse mais girl power sabe, e se tem uma coisa que não curti tanto foi a construção das personagens femininas, apesar delas serem fortes. O Thor realmente está mais ele mesmo, e achei bacana a forma como representaram o Hulk, que precisava ser visto como algo mais. Um beijo!

      Excluir
  2. Legal ver que mais alguém curtiu o filme, rs. Antes de ir ao cinema, li alguns comentários bem negativos em relação ao longa e ao excesso de humor, mas eu particularmente gostei, até mesmo da Valkiria (talvez o lado "tô nem aí" dela tenha me cativado haha).
    Loki = vilão preferido da minha vida ♥

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu ouvi muitas críticas em relação ao humor, mas é um filme leve mesmo, para não ser levado à sério hahaha Loki <3 Um beijo!

      Excluir