quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Tag: Complete as Frases


       A segunda semana de BEDA (não sabe o que é? Clique aqui) está quase chegando ao fim e estou orgulhosa de ver meu planejamento dando certo. Além disso, essa semana chegaram por aqui os marcadores de páginas que fiz para o blog (postei sobre isso lá na fanpage, vem ver!) - e em breve teremos novidades envolvendo eles! Também fiz mil e uma coisas no trabalho, escrevi muito, embarquei em novos projetos e, para resumir, estou mortinha de cansaço. E olha que ainda é quinta-feira! (#vemnimimfimdesemana) Eis que a postagem que eu tinha planejado para hoje não podia ir ao ar por motivos de: faltam fotos que eu ainda não consegui tirar. E agora? Depois de um breve momento de pânico onde fiquei sem saber sobre o que fazer (afinal, o BEDA não pode parar, não é mesmo?), saí em busca de algo que pudesse ir ao ar hoje, e, logo de cara, me deparei com uma tag publicada hoje mesmo pela Gabs, do Cats Can’t Write, a “Complete a Frase”. A tag está disponível no grupo “Se organizar, todo mundo bloga” (clique para conhecer esse grupinho do amor), e o nome já é bem autoexplicativo: a ideia é completar a frase de forma pessoal. Mas, assim como a Gabs, vou dar uma de “diferentona” e contar coisas sobre cada uma das frases (mesmo que ninguém queira saber, #foreveralone).

Sou muito... Pragmática. Foi difícil decidir o que colocar logo de cara nessa primeira frase. Eu sou ansiosa, organizada, criativa, um tantinho orgulhosa, chata, esquisita... Mas acho que posso definir estas coisas apenas com pragmática. Gosto das coisas bem planejadas, corretas, listadas e etiquetadas. Prazos me deixam mais confortável na hora de trabalhar, e até que lido bem com a pressão. Mas ao mesmo tempo sou ansiosa, e sofro por antecipação, principalmente se for algo relacionado à minha família ou relacionamentos (ai vem “a bad bateu em minha porta e eu abri, senhoras e senhores, agora eu tô no chão!”). 

Não suporto e não gosto de... Indiferença. Eu sou aquela pessoa que fica reciclando o papel de trouxa, além de fazer origamis com ele, ocasionalmente. Então, por este motivo, acabo me importando demais com os outros, e quando – por algum motivo obscuro – começam a ser indiferentes comigo, eu não suporto isso. É uma coisa que acaba comigo, porque, se aconteceu algum problema, é sempre bom sentar, conversar e resolver. Há, eram duas perguntas, mas resolvi uni-las em uma só pois a resposta seria basicamente a mesma.

Eu nunca... Consumi nenhum tipo de bebida alcoólica nem tomei café. Ok, são duas coisas. Mas é que foram as duas primeiras coisas nas quais consegui pensar. Bebida alcoólica eu nunca tive vontade, e café eu não sei por que, mas só gosto do cheiro! Haha (não que eu tenha experimentado muitas xícaras por aí, mas mesmo assim). 

Eu já briguei... Com uma menina na escola. Eu estava na sétima série, e uma aluna nova chegou me empurrou no corredor e disse que não gostava de mim. Simples assim. Ao que parece ela tinha sido suspensa, mudado de escola e estava retornando, e no mesmo dia me esperou na saída para me bater. Eu fiz Karatê e Capoeira quando criança, então ela não conseguiu me bater de fato (principalmente porque sou boa em me defender), mas levei uns arranhões feios por causa das unhas enormes que ela tinha. 

Quando criança... Eu já era esquisita. Meus maiores passatempos eram ler e brincar com a minha coleção de bonecas Polly Pocket, mas não como uma criança normal. Para falar a verdade minha maior alegria era montar toda a cidade (eu tinha casa da Polly, carros da Polly, shopping da Polly, e por aí vai) e depois de tudo pronto ficar olhando as coisas arrumadinhas. Depois eu desmontava e guardava tudo e fim. Essa era a brincadeira. 

Neste exato momento... Estou no trabalho, morrendo de sono, pensando na prova de inglês do curso de extensão que tenho que fazer mais tarde e me dividindo entre as pendências do trabalho e a redação desta postagem (tudo isso em meio a um martelar constante que vem da obra que estamos fazendo).


Eu morro de medo... de Palhaços. Sério, é mais do que medo, é uma fobia. Além deles eu também não sou fã daquelas pessoas vestidas de bichos variados no trenzinho (alou Carreta Furacão!), e já passei por cada história bizarra por causa disso que nem sei por onde começar. Já chorei no meio da rua porque um cara vestido de palhaço pulou na minha frente (ele veio do além, brotou no caminho!), já me escondi nas mais variadas lojas quando vi o trenzinho virando a esquina, já quase me escondi na mala do carro na época em que fazia estágio na TV por causa de um cinegrafista que ficou chamando um bando de palhaços pra perto da gente (e ele sabia que eu tinha medo)... Enfim. Mas acho que, de longe, a pior experiência para mim foi conhecer o Bozo - e ao vivo. Sim, ele foi se apresentar na igreja que eu frequentava anteriormente e eu quase morri ao me deparar com ele, e olha que nem caracterizado estava (Eu sei o que você está pensando, mas, pelo amor de Deus, ele fala nele mesmo na terceira pessoa! “O Bozo mandou dizer que você é uma florzinha de Jesus”). 

Se eu pudesse... Levava para casa todos os gatos e cachorros abandonados que eu encontro na rua. Mas, como já tenho três gatas, minha vó me proibiu de sequer passar do portão de casa com mais um, porque, acreditem, eu já entrei em um bueiro daqueles que captam água da chuva na faculdade – e detalhe, debaixo de chuva – para resgatar filhotes de gato.

Fico feliz quando... Consigo alcançar algo que estava querendo muito, cumprir aquela meta que estabeleci. Sabe aquela sensação gostosa de riscar algo da lista? Também fico muito feliz quando estou com a minha família, principalmente com o meu irmão. 

Se pudesse voltar no tempo... Não mudaria nada. Acredito que Deus tem um plano na vida de cada um de nós, e as coisas acontecem a seu tempo e por um motivo específico – mesmo que eu não entenda que motivo é esse. Claro que existem coisas ruins, algumas que eu não gosto de lembrar, pois me deixam extremamente triste e chateada, mas faz parte. O que aconteceu no ontem me trouxe para onde estou hoje, e estou feliz aqui. Mesmo que muitas coisas ainda tenham que ser vividas e alcançadas, eu entendo que o passado nos faz no futuro, ao mesmo tempo em que não nos define para sempre. Fez algum sentido aí?

Pijama + Comida = Amor puro e verdadeiro

Adoro... Dormir; e eu sempre gostei... De Comer. Meu pai do céu, essas são coisas que eu tanto adoro quanto sempre gostei, então espero que entendam o quanto foi necessário unir estas duas perguntas em um só parágrafo. Provavelmente meu estado atual (com fome e com sono) esteja interferindo gravemente nesta resposta, mas, verdade seja dita: comer e dormir são algumas das melhores coisas pra se fazer na vida. Cara, bacon, lasanha, torta de limão e de morango, travesseiros fofinhos, dormir com barulho de chuva... Ai, ai. 

Quero muito viajar para... Todos os lugares possíveis ao redor do mundo – e, se não for pedir muito, para outros planetas também. Para falar a verdade eu tenho uma lista dos lugares que mais quero visitar (e que ainda vou!), as prioridades, digamos. Mas tenho o desejo de viajar pelo mundo, pelo menos para três países de cada cantinho. Começando pela Europa, voltando para a América e depois desembarcando na Ásia. Plano perfeito não é mesmo? Só falta tempo, verba, passaporte e visto. De resto tenho tudo, como disposição, uma lista, planos loucos bem estruturados... Essas coisas. 

Eu preciso... Neste exato momento, dormir. Tenho trabalhado até bem tarde e acordado muito cedo (até nos fins de semana), pois, além do meu trabalho normal de nove horas por dia, ainda tenho a pós-graduação, a preparação para o Mestrado (redigindo o pré-projeto e fazendo provas de inglês) e o Fleur, com esse lindo desafio que eu resolvi fazer chamado Blog Every Day August. Isso sem falar na minha casa, família, amigos, compromissos da igreja, caçar Pokémons (tenho feito muito isso enquanto vou de um lugar ao outro) e aquelas outras coisas que vão aparecendo de última hora. Minha vida é uma montanha-russa, a alegria não para. Mas o que seria de nós sem um pouco de emoção, não é mesmo?

         E é isso! Como as últimas tags que respondi por aqui, essa também não pede que ninguém seja indicado, mas mais uma vez fica o convite aberto para você. #ficaadica Há, e eu vou adorar saber as respostas, então não deixa de comentar aqui caso essa tag vá parar em um desses blogs maravilhosos que estão por essa nossa internet de meu Deus, ou seja, o seu! Curtiu? Deixa a sua opinião ali nos comentários! 


8 comentários:

  1. Menina, você nunca tomou café!! Diferentona hahahaha
    Adorei a TAG e poder conhecer mais sobre você.

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, toda diferentona KKKK E nem chá, também não curto. É, eu sou uma aberração KKK Obrigada! <3 Um beijo : *

      Excluir
  2. Ameeei o blog, nossa que blog maravilhosooooo !


    www.sindromedoluxo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haaaaa amei o comentário, que comentário maravilhoso! Haha <3 Obrigada <3 Um beijo : *

      Excluir
  3. Eu tinha visto essa tag no blog e fiquei com vontade de fazer também ♥ Tem tanta coisa que a gente quer fazer, né? Mas neste exato momento eu também gostaria de dormir muito iuhaihe. Também não suporto indiferença. Não gosto de gente que fala por falar, sem prestar atenção ou se importar. Pior coisa. E essas pessoas com fantasias também acho o terror rs. Morro de medo. Quando pequena saia correndo, principalmente no jardim, quando tinha apresentações ou datas comemorativas e alguém se vestia de alguma coisa, eu não chegava nem perto rs. Enfim. Adorei tuas respostas, acho que vou escrever também ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro tags né, e ainda mais quando são legais assim, tanto de publicar quanto de responder. Nossa, mil coisas, e nem sempre damos conta. Ai fica aquela loucura de coisas caindo em cima de nós KKKKK Também não gosto, porque as pessoas que não tem um filtro entre o cérebro e a boca frequentemente magoam outras pessoas e ainda são indiferentes quanto a isso. E pessoas fantasiadas com aqueles cabeções são a definição do mal. Misericórdia, eu tenho muito medo! Escreve sim <3 Um beijo : *

      Excluir
  4. Sou apaixonada por tags, acho que elas dão uma quebrada no blog e fica mais com nossa carinha.
    Acho que sou pragmática também rs. E sim também morro de medo de palhaços não gosto nem daqueles fofinhos, aliás não existe palhaço fofinhos né rs.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Definitivamente não existem palhaços fofinhos (me desculpe se você é um palhaço e está lendo isso). Eu tenho MUITO medo mesmo, chega a ser insano KKKK E eu adoro tags justamente por isso, porque, como é um blog pessoal / literário onde dou minha opinião e falo sobre diversos assuntos, as tags são oportunidades de conhecer mais sobre mim <3 Um beijo : *

      Excluir