terça-feira, 29 de março de 2016

Resenha: Endgame: O Chamado


“Cada um de nós acredita em uma versão de como chegamos aqui. Deus nos fez. Alienígenas nos enviaram. Raios nos separaram ou portais nos trouxeram. No fim das contas, o como não importa. Temos este planeta, este mundo, esta Terra. Chegamos aqui, vivemos aqui e estamos aqui agora. Você, eu, nós, a humanidade inteira. O que quer que você ache que aconteceu no começo não tem importância. O fim, no entanto. O fim tem. Isto é o Endgame”.

         Eis que doze mil anos atrás, eles vieram. Dizem que eles desceram do céu entre fumaça e fogo e criaram a humanidade, deixando-nos regras segundo as quais devíamos viver. Ao que parece, eles precisavam de ouro, talvez para usar em alguma tecnologia que possuíam, e, para extraí-lo, instalaram aqui as doze linhagens que deram origens a nossos ancestrais e às antigas civilizações. Quando conseguiram o que queriam, eles foram em bora. Porém, nos avisaram que um dia retornariam, e que, quando isso acontecesse, seria para o Jogo. O Jogo que determinaria nosso futuro, o Endgame. Por cerca de dez mil anos as linhagens existiram em segredo, cada uma delas treinando um Jogador, geração após geração. Este jovem deveria ser treinado para dominar o uso das mais diferentes armas, dos diversos idiomas, da história do mundo, de estratégias e disfarces, e também da morte. Juntos, eles são tudo. São bons e maus. Como você, e como todas as pessoas. Isso é o Endgame. Quando começar, os Jogadores terão que achar as três chaves, que estão espalhadas pelo planeta. A única regra é que não há regras, e quem achar as chaves primeiro ganha o jogo. Jogar. Sobreviver. Povo da Terra, o Endgame começou.

Título: Endgame – O Chamado (Trilogia Endgame, Livro 01).
Autores: James Frey e Nils Johnson – Shelton.
Páginas: 504 páginas.
Editora: Intrínseca.
ISBN: 978-85-8057-186-8.


“Nós somos os Jogadores. Seus Jogadores. Temos que jogar. Precisamos ter mais de 13 anos e menos de 20. Essa é e sempre foi a regra. Não somos sobrenaturais. Nenhum de nós pode voar, transformar chumbo em ouro ou se curar sozinho. Quando a morte chega, chega. Somos mortais. Humanos. Somos os herdeiros da Terra. Cabe a nós resolver o Grande Mistério da Salvação, e alguém terá que conseguir, ou todos estaremos perdidos. Juntos, somos tudo: fortes, gentis, implacáveis, leais, espertos, estúpidos, feios, libidinosos, mesquinhos, instáveis, bonitos, calculistas, preguiçosos, exuberantes, fracos. Somos o bem e o mal. Assim como você. Como todos”.

Algumas Impressões 

       Como contei no book haul de janeiro, comprei este livro por três motivos: primeiro por curiosidade, segundo pelo preço que estava nas Lojas Americanas (apenas dez reais), e enfim, por ser da mesma empresa que publica minha série queridinha da vez, Os Legados de Lorien (clique para ler as resenhas). O enredo, que conta com seres de outro planeta, linhagens ancestrais, doze jogadores treinados para todo o tipo de situação, mistérios antigos, histórias da origem do mundo e das civilizações, deuses, enigmas, o destino da Terra e até um pouco de romance, me conquistou logo que li a sinopse, e, já na primeira página, me vi completamente envolvida pela história, pois as tramas que trazem seres alienígenas ou entidades estão entre as minhas favoritas, e, ultimamente, tenho lido muitos títulos do gênero. Vim do embalo de sete livros da série iniciada com “Eu Sou o Número Quatro” e assim que terminei os livros já lançados, comecei a sentir falta de algo surreal e enigmático em minha rotina de leituras. Em resumo, Endgame – O Chamado foi um verdadeiro achado, que chegou a minha estante no momento certo.


“Endgame é o enigma da vida, a razão para a morte. Abrange a origem de todas as coisas e a solução para o fim de todas as coisas. Encontre as chaves na ordem prescrita. Traga-as para mim, e você vencerá. Quando eu partir, cada um de vocês receberá uma pista. E o Endgame começará. As regras são simples. Encontre as chaves em ordem e as traga até mim. No mais, não há regras”.

      A trama se inicia com doze meteoros caindo em diferentes partes da Terra, o que, para os Jogadores, significa que o Endgame finalmente começou. De acordo com as histórias antigas, no início dos tempos, o Povo do Céu veio até nosso planeta, e criaram as doze linhagens ancestrais das quais descendemos. Eles retiraram daqui o que queriam, e foram embora, mas deixaram um aviso: quando voltassem seria para o Jogo, que definiria o destino do povo da Terra. Durante os séculos seguintes, cada linhagem elegeu um Jogador, entre treze e vinte anos, e o preparou de todas as formas possíveis para o Endgame. Neste primeiro volume da série, conhecemos e acompanhamos os escolhidos das doze linhagens, cada um com personalidade e atitudes únicas. Os autores, James Frey (fundador da empresa Full Fathom Five) e Nils Johnson-Shelton, souberam construir os personagens com uma habilidade excepcional, e tornaram a narrativa envolvente através dos diferentes pontos de vista destes jogadores. Cada capítulo é narrado (em terceira pessoa) por um jogador diferente - e também por um personagem não-jogador -, o que permite ao leitor descobrir mais sobre este e também enxergar determinado fato, momento ou pista através dos pontos de vistas dos diferentes personagens.



       Alucinante desde a primeira página, repleto de sequências eletrizantes e frases rápidas que deixam interrogações até mesmo na mente do mais atento leitor, é impossível para respirar – ou para fazer qualquer outra coisa – enquanto se lê esta trama. Fora que, o livro todo é um grande enigma, lançado pelos autores para os leitores. Dentro do enredo, cada jogador tem seu próprio enigma a ser decifrado, mas havia um mistério escondido para que leitores do mundo todo pudessem decifrar também. Várias frases, palavras, citações e sequências de números e símbolos ao longo do livro possuem notas de fim, com links para diversos sites na internet. Estes links levam desde a textos e vídeos sobre teorias da conspiração (em sua maioria envolvendo alienígenas), até sites sobre os próprios jogadores (incluindo até mesmo redes sociais atualizadas). O leitor que descobrisse o mistério do livro ganharia o prêmio de 500 mil dólares em barras de ouro. Surreal não? As pistas contidas no livro podiam tanto solucionar enigmas quanto criar outros, e, para participar, era necessário fazer a inscrição prévia no site oficial, ter o livro e uma conta no Google. Mas, se você, assim como eu, se animou em participar desta verdadeira caça ao tesouro, saiba que (para nossa tristeza) em oito de outubro de 2015, alguém resolveu o mistério e reivindicou o prêmio (clique para ver a matéria). Além dos livros já lançados, existem e-books da série e outros projetos relacionados a história, com um jogo de realidade alternativa, "Endgame: Sociedades Antigas” (clique para saber mais). Também há a possibilidade desta trama virar filme em breve, pois os direitos foram comprados pela 20th Century Fox. Povo da Terra, prepare-se. O Endgame está só começando.



Sobre a Intrínseca 

Uma editora jovem, não só na idade – afinal foi fundada em dezembro de 2003 – mas no espírito inovador de optar pela publicação de ficção e não ficção priorizando a qualidade, e não a quantidade de lançamentos. Essa é a marca da Intrínseca, cujo catálogo reúne títulos cuidadosamente selecionados, dotados de uma vocação rara: conjugar valor literário e sucesso comercial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário