sexta-feira, 8 de maio de 2015

Resenha: As Aventuras de Pi

"Depois de alguns instantes, tive uma ideia. Tirei a boia da água e enfiei o remo pelo buraco do meio. Fui tentando, tentando, até ela me rodear por inteiro. Agora, não era só com as pernas que estava me firmando. Se Richard Parker aparecesse, ficaria mais difícil me soltar dali, mas, um terror de cada vez: primeiro o Pacífico, depois, o tigre".

       Piscine Molitor Patel, também conhecido como Pi (sim, como 3,14) era um menino indiano de dezesseis anos extremamente peculiar. Fora seu nome, inspirado na mais bela piscina de Paris, era filho do dono de um Zoológico, vegetariano, hindu, cristão e muçulmano. Isso mesmo, tudo isso de uma vez só. Com uma visão diferenciada acerca do que consideramos liberdade religiosa, tirava proveito de cada uma de suas crenças, ignorando completamente a rivalidade entre elas. Nascido em Pondicherry, uma cidade de colonização francesa na Índia, foi criado rodeado por animais selvagens no quintal, sempre admirando sua beleza ao mesmo tempo em que temia a ferocidade. Apesar destes traços, digamos, diferentes, ele levava uma vida normal com a família. Mas, a vida é capaz de nos pregar cada peça, não é mesmo? Quem diria que este jovem absolutamente normal seria lançado em uma grande aventura, uma luta pela sobrevivência em meio à natureza selvagem e imprevisível do Pacífico? Se você não está entendo como isso pode ter acontecido, não se preocupe. As coisas serão explicadas, tudo em seu devido tempo. Para começar, a Índia passava por uma difícil crise política, que se agravara nos últimos meses. O zoológico passou a ficar ameaçado, e o pai de Pi não tinha mais como mantê-lo: teriam de vender o negócio e mudar-se para o Canadá, em busca de alguma oportunidade. No dia marcado, Pi e a família, assim como vários animais do zoológico, embarcaram em um cargueiro Japonês. Ainda no início da viagem, uma noite o menino percebe que a embarcação está afundando, e, por sorte, consegue um bote para se salvar. Porém, não estava sozinho. O bote contava com uma tripulação inusitada, formada por uma hiena, uma zebra ferida, um orangotango e um tigre – de - bengala, ao qual – ainda no zoológico – Pi dera o nome de Richard Parker. Sendo eles os únicos sobreviventes do naufrágio, a pequena embarcação acaba por se transformar em um habitat onde várias espécies lutam pela sobrevivência. À medida que os dias passam, os animais mais fracos morrem, e o menino se vê sozinho com o tigre. De um lado, um dos maiores predadores do mundo. Do outro, um menino indiano magrelo, vegetariano, fraco e notavelmente sensível. É aqui, que a verdadeira história começa. 

Título: As Aventuras de Pi (Life of Pi).
Autor: Yann Martel.
Páginas: 371 páginas.
Editora: Nova Fronteira.
ISBN: 978-85-209-3310-7.

"É comum dizer, nesse ramo, que o animal mais perigoso que existe num zoológico é o homem. Num sentido mais geral, porque o caráter excessivamente predatório da nossa espécie fez do planeta inteiro nossa presa".

      Do aclamado autor Yann Martel, As aventuras de Pi é dividido em capítulos, agrupados em três partes. Há momentos em que o próprio autor narra a história, descrevendo entrevistas feitas com Piscine como um escritor que desejava se inspirar para um novo livro, e também as partes narradas em primeira pessoa, a história contada pelo próprio protagonista, à partir de lembranças do narrador. Em uma ordem nada cronológica, o livro captura a atenção do leitor, que anseia por saber mais a cada parágrafo. Acima de tudo, emociona. Aqui não é contada apenas uma história. Dentre todas as temáticas levantadas por Martel, destaque para a questão religiosa, muito presente no protagonista, e para a discussão implícita sobre os anseios e desejos do coração humano, que levam os homens a realizarem ações irreversíveis, seja com ou sem arrependimento posterior. Saindo das páginas diretamente para as telas em 2012, As Aventuras de Pi, dirigido por Ang Lee, foi o filme mais premiado do Oscar 2013, levando quatro estatuetas para casa (incluindo fotografia e melhor direção). Para você que já leu ou assistiu esta obra, uma pergunta: Em qual das histórias acredita? E para quem ainda não conhece, outra: Em quem você mais confia? Nos humanos, ou nos animais?

4 comentários:

  1. Hey, Lettícia, tudo bem?
    Já faz algum tempo que li esse livro, e não lembro muito da história. Mas, na época que comprei, lembro que fiquei muito arrependida, só porque gastei todo meu dinheiro e depois fiquei sem pra comprar um colar de Harry Potter que acabei encontrando depois, sabendo que o livro estaria mais barato na internet, haha. Mas casos e acasos a parte, depois que o li, vi que valeu a pena o ter comprado. É uma das histórias mais originais e diferentes que já li, e todas as questões abordadas de alguma maneira penetram no leitor. Um livro incrivelmente bem escrito, e que merece todo o sucesso que acabou conquistando. Beijos
    Desfocando Ideias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas coisas acontecem kkkk Eu comprei sem saber nada da história, mas acabei gostando muito. Tem algumas questões que realmente nos marcam e fazem refletir, né? Um beijo : *

      Excluir
  2. Confesso que tenho um pouco de birra pelo livro porque o autor se baseou num livro brasileiro dizendo que o dele é melhor :/ achei muito pretensioso hahha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Eu não sabia disso. Qual o nome do livro? Um beijo : *

      Excluir