segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Resenha: O Hobbit ( ou Lá e de Volta Outra Vez )

  O universo criado por John Ronald Reuel Tolkien (ou simplesmente J. R. R. Tolkien) é extenso e maravilhoso. A Terra Média, com todas as suas raças (homens, anões, elfos, hobbits, entre outras), idiomas, eras e batalhas é complexa e repleta de mistérios. Tolkien não criou apenas uma história. Ele criou um mundo que mesmo irreal, torna-se real em nossa imaginação. 

"Cinco pés de altura tem a porta, e três podem passar lado a lado. Fique ao lado da pedra cinzenta quando o tordo bater e o sol poente com a última luz do dia de Durin brilhará sobre a fechadura".

O Hobbit ou Lá e de Volta Outra Vez é o livro que, de certa forma, nos insere no universo de O Senhor dos Anéis. É a história que precede os acontecimentos dos três livros da série, e onde conhecemos o Sr. Bilbo Bolseiro, um hobbit nada aventureiro (ou que assim pensava ser) que mora em sua confortável e aconchegante toca hobbit sob a Colina, no Condado. 

       Há muito tempo a Montanha Solitária (ao norte das montanhas e das Terras Ermas) era o lar de prósperos anões, donos de muito ouro, prata e pedras preciosas. Não sei se você sabe, mas os dragões são atraídos por riquezas, e Smaug (o principal vilão da trama) desejava a riqueza dos anões. No anseio para consegui-la, atacou a montanha, os expulsou do lar e tomou posse do tesouro.  A aventura começa com a chegada do mago Gandalf, o Cinzento à Vila dos Hobbits, o que acaba colocando o pobre Bilbo em uma perigosa jornada ao lado de  Dwalin, Balin, Kili, Fili, Dori, Nori, Ori, Oin, Gloin, Bifur, Bofur, Bombur e Thorin Escudo de Carvalho. Os treze anões pretendiam libertar a Montanha Solitária da desolação do dragão, além de recuperar o tesouro de seus antepassados. No longo caminho percorrido, o hobbit não descobre apenas perigos (como os Trolls, Orcs, Wargs, e o dragão Smaug) ou maravilhas (como Valfenda, lar dos Elfos ou as grandes Águias das Montanhas), e faz novos amigos. Ele também descobre que é forte e corajoso, além de um grande aventureiro. E nesta jornada, Bilbo encontra algo que mudaria não só seu destino, mas o de todos os habitantes da Terra Média.

Título: O Hobbit.
Autor: J. R. R. Tolkien.
Editora: Martins Fontes.
Páginas: 297 páginas. 
ISBN: 853361554X. 
Edição: 7a edição (Com ilustrações de J. R. R. Tolkien).
(Publicado Originalmente em inglês por Harper Collins Publishers Ltd. com o título The Hobbit).

      Fazia dois anos que eu estava procurando O Hobbit e os livros da trilogia de O Senhor dos Anéis por um bom preço. Além disso, queria uma edição específica, com capas ilustradas pelo próprio J. R. R. Tolkien (O Hobbit também tem diversas ilustrações ao longo da história), lançadas primeiramente como edições de colecionador. No fim de 2014, consegui através de uma promoção do site dos supermercados EXTRA adquirir a trilogia O Senhor dos Anéis, e em janeiro de 2015 encontrei O Hobbit durante uma viagem.

"Para além das montanhas nebulosas, frias, adentrando cavernas, calabouços, cravados, devemos partir antes de o sol surgir, em busca do pálido ouro encantado (...)"
     
     
    Tolkien faz parte do hall dos meus autores favoritos. Assim como C. S. Lewis e J. K. Rowling, ele criou um universo complexo para onde podemos viajar através de seus livros e de nossa imaginação. Quando comecei a ler O Hobbit, eu havia assistido apenas a primeira adaptação para o cinema.

      É claro que existem diferenças (algumas extremamente consideráveis), mas por ser uma adaptação existem coisas que não se mostrariam interessantes e outras (que contadas de determinada forma) chamam mais a atenção do público. A história é muito boa, principalmente para quem já conhece a de O Senhor dos Anéis (mesmo através dos filmes), pois é a oportunidade de descobrir como o anel chegou até as mãos de Frodo, resultando na jornada da trilogia (além de acompanhar um pouco das aventuras de Bilbo).

4 comentários:

  1. Obviamente trata-se de um mundo mágico e complexo. E o Token e conhecido não por criar um história mas originar um mundo novo e isso não é pra qualquer autor.
    Geralmente eu gosto muito mais da leitura do que do filme em si mas senhor dos anéis não me atraiu justamente pelas opiniões negativas em relação aos livros. Dizem que a leitura é muito cansativa e que as pessoas se perdem facilmente pelo fato dele ser muito descritivo.
    Você também achou isso?
    Sua resenha foi perfeita e fiquei morrendo de vontade de ler mesmo com as criticas negativas que ouvi rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas pessoas falam sobre essa questão, da leitura ser cansativa por ser uma jornada e os personagens passarem a maior parte do tempo "andando". Mas eu gostei muito do livro (vou ler os outros agora), apesar de não ter toda aquela emoção e efeitos dos filmes. Eu tive que voltar em algumas partes, mas ele escreve como se estivesse contando um caso, e gostei disso. Muito obrigada! E leia mesmo, é muito bom! : *

      Excluir
  2. Comecei a ler tolkien a partir do hobbit. Acho que foi melhor assim, justamente porque muita gente diz que o senhor dos anéis é bastante cansativo. Também não achei o hobbit dificil de ler. E, depois dele, li os filhos de húrin, que, apesar de ser menos alegre que o hobbit, a história é fantástica.
    Se quiser saber oq eu achei, fiz uma resenha dele também: http://livrelevelivro.blogspot.com.br/2015/01/resenha-os-filhos-de-hurin.html

    Ah, concordo com você nesse lance das adaptações para o cinema. Tem coisa que não ia ficar tão agradável no filme, principalmente personagens que não existiam no livro e estarem presentes nos filmes (como legolas e tauriel)..

    Bom, é isso! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já conhecia as histórias de Tolkien através de sites e dos próprios filmes, mas ainda não tinha tido a oportunidade de ler os livros. Iniciei com O Hobbit também e agora vou ler a trilogia (já ouvi muito sobre ser cansativo também). Depois quero ler Contos Inacabados e o Silmarillion, mas gostei desta dica de Os filhos de Húrin! Sobre as adaptações, às vezes incluir esses personagens inexistentes no livro deu uma emoção a mais própria do cinema (vulgo clichê da friendzone). KKKK Um beijo :*

      Excluir